Poliglota: o que é, como se tornar e vantagens

17/03/2022
Kumon Brasil
Compartilhe:

Você sabe o que é uma pessoa poliglota e que vantagens isso pode trazer no futuro?


Saber falar várias línguas faz toda a diferença em seu currículo e abre muitas portas para trabalhar ou estudar em outros países.


Além disso, dominar muitos idiomas é uma ótima forma de adquirir conhecimento por meio de obras originais ou se aprofundar em culturas diferentes.


Neste texto, vamos falar sobre a importância de ser poliglota, que vantagens isso traz e como se tornar um.


Continue lendo para saber mais!

Descubra como o método Kumon ajuda você a desenvolver o autodidatismo e o hábito de estudos


Leia mais:


Afinal, o que é poliglota?


A palavra “poliglota” tem origem na união de dois termos gregos: “polý”, que significa “numerosas”, e “glossai” ou “glottai”, que quer dizer “línguas”.


Assim, poliglota é a pessoa que fala muitas línguas.


Para ser considerado um é necessário dominar vários idiomas, sabendo ler, escrever, falar e compreender todos eles.


As pessoas que possuem estas habilidades também são chamadas de plurilíngues ou multilíngues.


Mas você sabia que coisas também podem ser poliglóticas? Um manual de instruções escrito em diversas línguas diferentes é um bom exemplo.


A partir de quantas línguas você pode ser considerado poliglota?


Você já sabe que um poliglota é uma pessoa que fala muitas línguas. Mas quantas, exatamente?


Vamos lá: quem domina dois idiomas, incluindo o português, no nosso caso, é uma pessoa bilíngue. Quem domina três, é trilíngue. E quem domina quatro…


Isso mesmo, para ser considerado uma pessoa plurilíngue você precisa dominar quatro ou mais idiomas, sendo que a língua nativa também é contada.


Uma curiosidade: quem fala mais de seis línguas é chamado de hiperpoliglota ou superpoliglota.


Parece algo muito raro, mas a verdade é que existem muitos poliglotas por aí. Alguns deles, inclusive, muito famosos.


  • O papa João Paulo II dominava 13 línguas, mas fez pronunciamentos em mais de 50 idiomas.

  • Dom Pedro II, último monarca do Império do Brasil, falava e escrevia em 14 línguas, inclusive latim e tupi.

  • J.R.R. Tolkien, autor do Senhor dos Anéis, sabia latim, francês e alemão desde pequeno. Ao longo da vida ele quis estudar mais línguas, e chegou mesmo a criar idiomas para os mundos presentes em suas fantasias.


Quanto tempo de estudo para se tornar poliglota?


É difícil dizer com exatidão quanto tempo leva para uma pessoa se tornar um poliglota.


Para nós, do Kumon, isto é especialmente complicado, já que o método se baseia justamente na capacidade individual que cada um tem de aprender no próprio ritmo.


Em outras palavras: se você tem facilidade com idiomas, pode aprender mais rápido. Veja a história do Leonardo Lupiano, aluno concluinte do Kumon, que finalizou os estudos em um ano.


Já se você é uma pessoa que tem mais dificuldade para aprender outras línguas, pode estudar no seu ritmo, sem ser apressado pelo restante da turma ou deixar conteúdo incompreendido para trás.


Além disso, algumas pessoas têm mais tempo que outras para dedicar aos estudos. Tudo isso torna muito difícil estimar precisamente quanto tempo leva para aprender tantos idiomas.


Mas uma coisa nós podemos afirmar com certeza: é algo que exige bastante dedicação.


Como se tornar um poliglota?

 A melhor idade para começar a ser um poliglota é na infância


Qualquer pessoa pode, com bastante estudo, ser um poliglota. 


Apesar de haver teorias diferentes, é consenso entre os especialistas que os primeiros anos de vida são ideais para aprender.


Até os 7 anos, qualquer criança pode aprender várias línguas ao mesmo tempo sem prejuízo nenhum.


Mas isso quer dizer que somente crianças que estudam idiomas podem vir a ser poliglotas?


De jeito nenhum! Veja o caso do Laercio Uezono, por exemplo, que começou a estudar japonês no Kumon com quase 60 anos. Inspirador, não é?


Se você deseja ser uma pessoa multilíngue, independente de sua idade, confira alguns passos para ajudá-lo a chegar lá.


1. Escolher as línguas


Ao contrário do que acontece no Brasil, em alguns países é muito comum que as pessoas falem naturalmente mais de uma língua.


Veja o caso do Canadá, que tem dois idiomas oficiais, o inglês e o francês. Ou da Irlanda, em que se utiliza o irlandês e o inglês.


Já deu para perceber como o inglês é importante né?


Se você não sabe por onde começar, esta é uma ótima ideia, já que o idioma é o mais utilizado no mundo todo. 


Agora, se você deseja se aprofundar nos estudos e se tornar um poliglota, na hora de escolher o que estudar vale a pena seguir a dica do Alexander Argüelles, um linguista que domina cerca de 36 idiomas e fala 10 fluentemente.


Ele diz que as pessoas devem priorizar: 


  • As línguas clássicas de sua civilização.

  • Idiomas vivos das culturas mais expandidas.

  • Inglês, por ser um idioma internacional.

  • Um idioma exótico de sua escolha.


Mas esta é só uma sugestão, claro. Você pode iniciar pelas línguas que vão trazer mais benefícios para o seu currículo, como o inglês, ou que tem mais ligação com a cultura da sua família, como o japonês.


2. Estudar as línguas


Algo fundamental no estudo de idiomas é saber aceitar e aprender com os erros.


No início não se preocupe em ser fluente, e sim em dominar o conteúdo que estiver estudando. Encaixando-se ou não no padrão de proficiência para ser considerado poliglota, compreender e ser compreendido ainda é o mais importante.


Um material didático bem planejado e que estimule sua evolução desde o início ajuda muito, assim como o contato com áudios nativos.


Também é possível incluir os estudos no dia a dia de um jeito bastante leve. Mudar as configurações de idioma do celular, ver filmes sem legenda e ouvir músicas na língua que você está estudando são ótimos pontos de partida.


3. Tornar-se fluente


Quanto mais você pratica e inclui os idiomas em sua rotina, mais fluente fica na língua. E pode acreditar: nem é preciso praticar por muito tempo.


No Kumon, por exemplo, o aluno aprende inglês ou japonês estudando apenas 30 minutos por dia.


Fora o tempo de estudos, assistir filmes e séries, animes, ler livros e mangás, ver vídeos no Youtube e interagir com perfis estrangeiros nas redes sociais são alguns momentos de lazer em que você pode praticar o idioma até ficar fluente.


4. Contar com a ajuda do Kumon


O Kumon oferece dois cursos de idiomas: inglês e japonês.


Em ambos, o aluno faz um teste de nivelamento para saber em que nível está e em que estágio deve começar.


Depois disso, você estuda de acordo com sua própria capacidade e no seu ritmo, sem se preocupar em ficar para trás do restante da turma ou ficar desmotivado porque as aulas estão muito fáceis.


O aluno frequenta a unidade uma vez na semana, e no restante dos dias estuda em casa por meia hora, com o acompanhamento individual de uma orientadora.


Este é o segredo do método Kumon para desenvolver a leitura e interpretação de textos avançados, inclusive de obras originais, e as capacidades exigidas na escola, nos vestibulares e no mercado de trabalho.


E mais: no Kumon o aluno aprende a ser autodidata, criar o hábito de estudos e ter prazer em aprender. Assim, fica ainda mais fácil ampliar seu conhecimento para outros idiomas e se tornar um poliglota!


5 Vantagens de ser poliglota


Seja por gosto pessoal ou por necessidade, a verdade é que saber falar muitas línguas traz várias vantagens.


Entre elas estão maior disponibilidade de acesso ao conhecimento, destaque profissional e facilidade para viajar, aproveitando ao máximo a experiência em outros países. 


E ainda tem muito mais. Veja a seguir outras vantagens de ser alguém plurilíngue.


1. Conhecimento

Ser poliglota expande oportunidades de estudo e carreira


O mundo tem cada vez menos fronteiras e está cada vez mais globalizado. Já imaginou estudar em uma universidade francesa ou trabalhar em uma empresa japonesa?


Falar outro idioma expande as oportunidades de aprendizado e carreira. 


Além de fazer diferença no currículo, saber muitas línguas permite ler obras originais e ter acesso aos estudos e pesquisas mais recentes em sua área.


2. Concentração


Estudar outra língua preserva a memória, previne a degeneração das células nervosas, traz agilidade mental e trabalha a concentração.


Além disso, desenvolve habilidades cognitivas como a percepção auditiva, controle motor, memória semântica e o sequenciamento de palavras.


Um estudo do Centro de Medicina da Universidade de Georgetown mostrou que adultos bilíngues têm mais massa cinzenta no cérebro. Ela está envolvida no controle executivo, um termo para designar competências como atenção e memória de curto prazo.


Resumindo: estudar outra língua é uma verdadeira academia de ginástica para seu cérebro.


3. Vantagem profissional


Se você acompanha nosso blog, está cansado de saber que dominar o inglês é fundamental no mercado profissional, desde o momento em que você se inscreve para algum processo seletivo.


Mesmo que não seja pré-requisito na sua área ou para o cargo que você deseja conquistar, estudar outra língua revela aspectos muito interessantes sobre você para os recrutadores, incluindo aí algumas soft skills muito desejadas pelo mercado de trabalho:


  • Facilidade e interesse em aprender

  • Proatividade

  • Curiosidade

  • Determinação e organização 

  • Facilidade para executar várias tarefas ao mesmo tempo


Saber o idioma enriquece o currículo de qualquer pessoa e em muitas carreiras é obrigatório. Imagine trabalhar em uma grande empresa multinacional, em que é necessário se relacionar com gente do mundo todo, só falando português. Difícil, não é?


Além disso, capacitar-se em outra língua abre portas diretas para algumas profissões, como tradutor, intérprete, guia turístico, comissário de bordo ou diplomata.


Se você quer ir além do inglês e se tornar um poliglota, saiba que isso é super útil para o networking. Ou seja: trocar contatos e fazer parcerias com empresas e profissionais de outros países.


Pode acreditar, conversar na língua nativa de um possível parceiro ou cliente faz toda a diferença na hora de fechar uma negociação. Isso cria uma relação mais natural, demonstra interesse da sua parte e permite aprofundar a conversa.


4. Facilidade em viagens


Saber inglês ajuda muito quem quer viajar e conhecer o mundo. Mas não é em todos os países que é possível ou fácil se comunicar usando somente este idioma.


Na França, por exemplo, é bastante difícil aproveitar ao máximo a viagem sem saber falar francês. O mesmo acontece em muitos países latinos, onde a maior parte das pessoas fala espanhol mas não sabe inglês.


Agora imagine países com idiomas bem diferentes, como o Japão. Já pensou em como se localizar nas ruas sem entender kanji?


Saber falar o idioma local permite aproveitar muito mais as experiências, conhecer pessoas e se aprofundar na cultura do local. Mais uma vantagem que o poliglota carrega na bagagem!


5. Aprendizado linguístico e cultural


Aprender outro idioma é bem mais que saber falar outra língua. 


É um aprofundamento na cultura, história e hábitos de povos e regiões diferentes.


Conhecer costumes, características e pessoas de outras nacionalidades abre a cabeça para uma visão mais plural do mundo e das pessoas ao nosso redor.


Dúvidas frequentes (Guia rápido)


O que significa ser um poliglota?


Poliglota é a pessoa que fala muitas línguas. Para ser considerado um é necessário dominar vários idiomas, sabendo ler, escrever, falar e compreender todos eles.


Quem fala duas línguas é poliglota?


Não. Quem fala 2 línguas, incluindo o idioma nativo, é chamado de pessoa bilíngue.


Quem fala 3 línguas é poliglota?


Não. Quem fala 3 línguas, incluindo o idioma nativo, é chamado de pessoa trilíngue.


Quantas línguas para ser poliglota?


A pessoa é considerada um poliglota quando fala 4 línguas ou mais, incluindo o idioma nativo. Quando fala mais de 6 línguas, ela é uma superpoliglota.


Aprender inglês ou japonês é no Kumon. Visite uma unidade e faça sua matrícula!


Conclusão


Ser um poliglota, ou seja, falar mais de três idiomas, traz muitas vantagens.


Se aprofundar nos estudos de um número maior de línguas permite aproveitar melhor o conhecimento, seja por meio de leitura de livros ou dos artigos e pesquisas mais recentes de sua área. 


Esta capacidade também abre muitas portas profissionais, melhorando o networking e tornando encontros profissionais mais profundos e interessantes.


No seu currículo, saber outros idiomas chama a atenção dos recrutadores e revela características desejadas no universo profissional.


Quem é plurilíngue também aproveita melhor as viagens, sejam de lazer ou profissionais, e consegue se conectar culturalmente aos costumes e características de outros povos, ampliando seu repertório cultural e respeito pelas diferenças. 


Mas tudo isso tem seu preço. Para estudar línguas estrangeiras é preciso dedicar bastante tempo e esforço ao aprendizado. 


Um curso como o Kumon é ideal para ajudá-lo a aprender inglês e japonês. Além disso, os benefícios trazidos pelo método, como concentração, organização, prazer em aprender e autodidatismo, são a chave para o aprendizado de outros idiomas.


Com estas características, você tem muito mais ferramentas para ampliar seus conhecimentos e aproveitar todas as vantagens de ser um poliglota!

Artigos relacionados

Receba conteúdos exclusivos do Kumon
Aceita receber informações do Kumon?
Política de privacidade
Para garantir ainda mais transparência em como usamos seus dados pessoais aqui no Kumon, nós atualizamos nossa Política de Privacidade. Caso queira consultá-la, clique aqui. Utilizamos cookies para garantir a melhor experiência no nosso site. Ao continuar a navegar neste site, você concorda como o seu uso. Para saber mais sobre o uso de cookies, clique aqui.